Justificação Pela Fé-A Perspectiva Divina e a Humana

& Analisando Ensinos Bíblicos  &

Prof. Azenilto G. Brito

A relação entre o ato objetivo da redenção e a apropriação subjetiva da fé pode ser ilustrada por um evento da história americana. Em 1o. de janeiro de 1863 o presidente Abraham Lincoln declarou a emancipação geral dos escravos por todos os Estados Unidos. Quando o escravo individual ouvia sobre o que Lincoln havia feito e cria em tal informação ele aplicava a notícia a si próprio individualmente e assim tornava-se pessoalmente livre.

Há duas perspectivas na transação chamada justificação pela fé: A fé é contada como justiça. Segundo a perspectiva humana existe a fé; segundo a perspectiva divina, há a imputação de justiça.

Analisando mais detidamente a perspectiva humana pode-se ver que o pecador ouve sobre o que Deus realizou em Cristo e como propiciou-lhe uma perfeita justiça pela qual ele pode passar incólume pelo julgamento de Deus.

Ele aprende sobre a vida justa de Cristo, e que Seus tremendos sofrimentos e morte ocorreram por sua causa. Cristo foi o seu Substituto legal e Representante, e Deus está preparado para computar a vida justa e morte de Cristo como se fossem suas, se ele apenas aceitar isso.

Agora, esse pobre pecador, perdido em pecado, sente-se tão desamparado que nem pode por si mesmo crer em Cristo ou ir até  Ele. Mas Deus o chama por Sua Palavra (Rom. 10:17), ilumina-o por Seu Espírito (João 16:8) e capacita-o a crer.

Do lado da perspectiva divina, Deus “imputa a justiça sem obras” a esse homem. A justiça que Ele imputa  é a justiça de Um, ou a obediência de Um (Rom. 5:18, 19). A palavra “imputar” ([i]logizomai[/i]) significa creditar. Em si mesmo isso não significa mudança no objeto, mas muda a forma como o objeto é considerado. Nesse caso significa que o pecador crente recebe crédito da vida e morte de Cristo. O crente comparece perante a barra da justiça como se todas as obras e atos de Cristo fossem suas.

Um jovem fazendeiro foi convocado para servir o exército durante a Guerra Civil Americana. Por causa de certas dificuldades na época da convocação, outro homem apresentou-se para servir em seu lugar e foi aceito como seu substituto. Esse homem perdeu a vida durante a guerra. Em época posterior, o jovem fazendeiro foi novamente convocado. Sua resposta foi: “Eu já servi”. Contudo, o exército não queria aceitar sua alegação e ele apelou à corte suprema do país. E a corte decidiu em seu favor. Ele havia servido, para todos os efeitos legais.

Seria o tribunal divino menos justo? Com base na justiça imputada de Cristo Deus pode justificar o ímpio (Rom. 4:5) que crê em Cristo. Não se trata de uma questão de como isso pode ser feito (ver Rom. 3:26). No veredito da divina corte o pecador crente é [i]justificado [/i](Rom. 3:24-28). Isso não significa que ele é tornado justo, e sim que é DECLARADO como tal.

Justificação tem que ver com categorias judiciais. Não é algo realizado no pecador pelo Espírito Santo, mas simplesmente um julgamento, um decreto, ou um veredito do Juiz. Esse é o pleno sentido de justificar toda vez que vem usado em contextos como esse por toda a Bíblia (ver Deut. 25:1; Mat. 12:36, 37; Rom. 2:13; Prov. 17:15; 2 Crôn. 6:23; 1 Reis 8:32. Luc. 7:29).
 
 

 Clique aqui para voltar a página de início

Professor Azenilto G. Brito
Ministério Sola Scriptura
otabrito@aol.com

*************************** 

Outras Opções


otabrito@aol.com

 bcleliabrito@aol.com

Clique aqui para ir para a página do Prof. Azenilto

  Clique aqui para para ir para a página de Historietas-Didaticas"

Clique aqui para ver artigos sobre Os"DEBATES CATÓLICOS"

Clique aqui para ver artigos sobre as "DOUTRINAS CATÓLICAS"

 Clique aqui para ver artigos sobre  SÁBADO OU DOMINGO

 Click aqui para ver artigos sobre a "Imortalidade"

 Click aqui para ler sobre as leis dietéticas

 Click aqui para ver artigos sobre as divisões das leis

 Clique aqui para voltar aos outros artigos

 Clique aqui para ir para os Artigos Numerados

 Ministerio Sola Scriptura