Devem Todos os Cristãos Unir-se Com os Católicos?

Mike Gendron
Desde o alvorecer do novo milênio estamos testemunhando o maior impulso rumo à unidade ecumênica que o mundo já viu. A Igreja Católica Romana está freneticamente construindo pontes para todas as denominações cristãs. Mediante os dedicados esforços do Papa João Paulo II, o Vaticano está instando todos os professos cristãos a “voltarem para casa”, isto é, Roma. [N.R.: O atual papa, Bento XVI, tem ressaltado a sua intenção de não só prosseguir nos esforços de união dos cristãos que inspiraram seu antecessor, como garante ser esta uma prioridade de seu pontificado].

Diálogos e acordos têm sido iniciados e criados para buscar a unidade mediante crenças comuns. Um exemplo disso é a“Declaração Sobre a Doutrina da Justificação” assinada em 1999 entre luteranos e católicos-romanos. Nessa declaração, Roma emprega palavras equívocas e ambíguas para afirmar a concordância sobre a doutrina da “justificação pela fé somente” enquanto, ao mesmo tempo, conserva o anátema sobre todos quantos crêem nessa doutrina.

Não devemos ser enganados. Roma não alterou sua posição sobre coisas que realmente importam! Em vez disso, continua a tirar vantagem de professos cristãos a que falta o discernimento ou que não se dispõem a lutar por sua fé. A chave para o sucesso desse esforço pela unidade tem sido um compromisso de “amar uns aos outros e tolerar as crenças uns dos outros”. A proposta para todos os cristãos ignorarem suas diferenças doutrinárias em favor da unidade passa inteiramente por alto o fato de que os católicos-romanos, ortodoxos e muitas igrejas protestantes pregam um falso evangelho que nega a suficiência de Jesus Cristo e Sua obra redentora completada.

Esse movimento ecumênico tem propiciado terreno fértil para reedificar a torre de Babel religiosa. Multidões estão sendo influenciadas por evangelhos pervertidos, doutrinas de demônios e falsos mestres. Muitos mais estão sendo persuadidos por evangélicos de grande destaque a unirem-se nessa cruzada.

Não é de admirar que a Igreja Católica Romana tenha sido a força propulsora por detrás desse movimento ecumênico. Desde o fim do Concílio Vaticano II em 1965 Roma tem estado cortejando os que outrora chamava de “heréticos” passando a chamá-los de “irmãos separados”. Não sendo mais capaz de forçar as pessoas a se submeterem a seus papas sob ameaça de morte e perseguição, o Vaticano mudou sua estratégia para ganhar o mundo. Apresentando uma nova face de amor e preocupação para com esses “irmãos separados”, a ICR agora lhes oferece a “plenitude da salvação” mediante o retorno à “única igreja”.

Com tantos professos cristãos unindo-se às fileiras ecumênicas, há evidência do espírito do anticristo em operação  preparando o terreno para essa religião universal. Impulsionando o movimento estão líderes eclesiásticos que negligenciam advertir suas congregações sobre a grande apostasia e crescente engano durante os últimos dias. Em lugar de os líderes eclesiásticos odiarem tudo quanto é falso, muitos estão tolerando falsas doutrinas e evangelhos falsificados (Salmo 119: 104, 128). Em lugar de líderes eclesiásticos denunciarem as doutrinas prevalencentes e agentes de comprometimento muitos os estão tolerando.

Salmo 119: 104, 128
“104 Pelos teus preceitos alcanço entendimento, pelo que aborreço toda vereda de falsidade.
 128 Por isso dirijo os meus passos por todos os teus preceitos, e aborreço toda vereda de falsidade.”

Tragicamente, muitos púlpitos estão também incrivelmente silentes com respeito às numerosas advertências escriturísticas contra o estar em jugo com incrédulos. Como subpastores do rebanho que lhes foi confiado, os pastores devem advertir suas ovelhas dos perigos da unidade ecumênica. Jesus e Seus discípulos nunca toleraram a unidade sem o fundamento da verdade bíblica. Vez após vez líderes religiosos dedicados, com suas próprias agendas, foram vigorosamente repreendidos:
 

• Jesus não deu as mãos a líderes religiosos que bloqueavam o acesso do reino dos céus aos homens (Mat. 23:13).

Mat. 23:13
“13 Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar.”

• Paulo não se uniu aos judaizantes que somente desejavam acrescentar a circuncisão ao evangelho (Gál. 1:6-12).

Gál. 1:6-12
“6 Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho,
7 o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo.
8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema.
9 Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
10 Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens;
12 porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo.”

• Judas recusou cooperar com aqueles que se introduziam sorrateiramente para perverter a graça de Deus (Judas 4).

Judas 4
“4 Porque se introduziram furtivamente certos homens, que já desde há muito estavam destinados para este juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de nosso Deus, e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo.”

• João não buscou estabelecer unidade com aqueles que “saíram do nosso meio, entretanto não eram dos nossos” (1 João 2:19).

1 João 2:19
 “19 Respondeu-lhes Jesus: Derribai este santuário, e em três dias o levantarei.

• Pedro nunca deu as mãos a falsos mestres que haviam abandonado a rota certa e se desviado, seguindo o caminho de Balaão (2 Pedro 2:15).

2 Pedro 2:15
“15 os quais, deixando o caminho direito, desviaram-se, tendo seguido o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça,”

• O autor de Hebreus nunca se uniu com aqueles que negligenciavam tão grande salvação (Hebreus 2:3).

Hebreus 2:3
“3 como escaparemos nós, se descuidarmos de tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram:”

À luz dessa  “nuvem de testemunhas” que se nos apresenta fica-se a admirar por que alguns evangélicos ignoram as lições das Escrituras, abraçando o falso evangelho do catolicismo romano. Seguramente não ignoram seus numerosos anátemas que condenam os cristãos nascidos de novo!

Certamente não são ignorantes dos muitos requisitos adicionais que Roma adicionou ao evangelho de salvação. Poderiam ser tão facilmente persuadidos pela influência mundial da Igreja Católica, sua incrível riqueza, um bilhão de seguidores e um líder que é tão amado por todo o mundo?
 

Como Nos Proteger em Meio do Engano Religioso Que Prevalece no Mundo Moderno?

Como devem os cristãos proteger-se em meio ao engano religioso que é tão prevalecente no mundo moderno? A Bíblia nos exorta a provar todo ensino. Somos advertidos a não crer em todo espírito porque muitos falsos profetas estão pelo mundo. É somente pela Palavra de Deus que podemos conhecer o Espírito da Verdade e o espírito do erro (1 João 4:1, 6). Devemos ser como os bereanos que examinavam as Escrituras diariamente para verificar a veracidade dos ensinos do apóstolo Paulo (Atos 17:11). Se Paulo, que escreveu quase metade do Novo Testamento, foi provado, torna-se patente que todo sacerdote, papa, profeta ou pregador devia ser também examinado à luz da Santa Palavra de Deus.

1 João 4:1, 6
“1 Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos vêm de Deus; porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo.
6 Nós somos de Deus; quem conhece a Deus nos ouve; quem não é de Deus não nos ouve. assim é que conhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro.”

Atos 17:11
“11 Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim.”

Então, o que devemos fazer com os falsos mestres dentro da cristandade? Não devemos compartilhar de seus esforços mas expor seus falsos ensinos (Efés. 5:6, 11). Com delicadeza devemos corrigir aqueles que estão em erro na esperança de que Deus possa conceder-lhes o arrependimento e conduzi-los à verdade (2 Tim. 2:25,26). Os que professam “conhecer a Deus, mas os seus atos o negam” devem ser denunciados e silenciados de modo a que outros não sejam enganados (Tito 1:9-16). Os que não ouvirem ao ensino apostólico não são de Deus. Temos ordens de nos separar daqueles que persistem com falsos ensinos (Romanos 16:17; Tito 3:10). Para alguns, isso pode significar encontrar outra Igreja; para outros, pode significar interromper o apoio a ministérios que continuam a comprometer o evangelho.

Efés. 5:6, 11
“6 Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.”

2 Tim. 2:25,26
“25 corrigindo com mansidão os que resistem, na esperança de que Deus lhes conceda o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade,
26 e que se desprendam dos laços do Diabo (por quem haviam sido presos), para cumprirem a vontade de Deus.”

Tito 1:9-16
“9 retendo firme a palavra fiel, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para exortar na sã doutrina como para convencer os contradizentes.
10 Porque há muitos insubordinados, faladores vãos, e enganadores, especialmente os da circuncisão,
11 aos quais é preciso tapar a boca; porque transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância.
12 Um dentre eles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, glutões preguiçosos.
13 Este testemunho é verdadeiro. Portanto repreende-os severamente, para que sejam são na fé,
14 não dando ouvidos a fábulas judaicas, nem a mandamentos de homens que se desviam da verdade.
15 Tudo é puro para os que são puros, mas para os corrompidos e incrédulos nada é puro; antes tanto a sua mente como a sua consciência estão contaminadas.
16 Afirmam que conhecem a Deus, mas pelas suas obras o negam, sendo abomináveis, e desobedientes, e réprobos para toda boa obra.”

Tito 3:10
 “10 Ao homem faccioso, depois da primeira e segunda admoestação, evita-o,”

Ao aumentarem os enganos dos tempos finais e mais e mais pessoas serem levadas à apostasia, devemos combater fervorosamente pela fé uma vez confiada aos santos (Judas 3). Na medida em que maiores contingentes de líderes cristãos buscarem a aprovação dos homens em lugar da de Deus, o caminho da verdade se tornará mais estreito e menos percorrido. Os que permanecerem fiéis serão perseguidos por se recusarem a comprometer-se (2 Timóteo 2:12). Serão acusados de intolerância, falta de amor e mente estreita. Mas sempre devemos ter em mente as advertências dos apóstolos--se não nos separarmos dos falsos mestres podemos desqualificar-nos para o serviço (2 Timóteo 2:20), identificando-nos com eles em seu erro (2 João 10, 11), ou arricar-nos a participar de seu destino (Judas 11-13).

Judas 3
“3 Amados, enquanto eu empregava toda a diligência para escrever-vos acerca da salvação que nos é comum, senti a necessidade de vos escrever, exortando-vos a pelejar pela fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos.”

2 Timóteo 2:12
 “12 se perseveramos, com ele também reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará;”

2 Timóteo 2:20
“20 Ora, numa grande casa, não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de madeira e de barro; e uns, na verdade, para uso honroso, outros, porém, para uso desonroso.”

2 João 10, 11
“10 Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis.
11 Porque quem o saúda participa de suas más obras.”

Judas 11-13
 “11 Ai deles! porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré.
12 Estes são os escolhidos em vossos ágapes, quando se banqueteiam convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
13 ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias torpezas, estrelas errantes, para as quais tem sido reservado para sempre o negrume das trevas.

Na medida em que líderes eclesiásticos continuarem a ensinar verdades parciais e tolerarem o erro doutrinário o corpo de Cristo deve tomar providências. Precisamos evitar a repreensão que Paulo fez à igreja dos coríntios. Ele escreveu: (2 Cor. 11:3-4)

2 Cor. 11:3-4
“Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam corrompidas as vossas mentes, e se apartem da simplicidade e pureza devidas a Cristo.  Se, na verdade, vindo alguém prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não temos abraçado, a esses de boa mente o tolerais”

Ao crescer em popularidade o movimento ecumênico dentro da igreja, precisamos aceitar o fato de que militar pela pureza doutrinária será uma posição impopular a assumir. Contudo, é de fato o que somos chamados a fazer! Ao assinalarmos falsas doutrinas e práticas seremos bons servos de Cristo Jesus pois somos nutridos por Sua palavra e sã doutrina (1 Timóteo 4:6). Sustentar a verdade pode, e será, divisivo na Igreja, mas a divisão lhe é às vezes boa. Ocasionalmente é necessário mostrar quais são os aprovados por Deus (1 Coríntios 11:19).

1 Timóteo 4:6,7
“6 Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Cristo Jesus, nutrido pelas palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido;
7 mas rejeita as fábulas profanas e de velhas. Exercita-te a ti mesmo na piedade.”

1 Coríntios 11:19
 “19 E até importa que haja entre vós facções, para que os aprovados se tornem manifestos entre vós.”

Os que se batem pela pureza do evangelho são freqüentemente criticados por criarem caso por coisas que não parecem significativas. Contudo, os militantes pela fé reconhecem que a mentira mais perigosa é aquela que mais de perto parece ser verdade. Ao contrário disso, os ecumenistas consideram qualquer coisa que tenha aparência de verdade como uma oportunidade para a unidade. Assim, acatam o falso evangelho do catolicismo porque é a mais sutil de todas as contrafações.

Nestes dias de apostasia, o corpo de Cristo precisa ousada e corajosamente proclamar todo o conselho de Deus e denunciar como erro tudo quanto a ele se oponha. Que Deus conceda a todos os Seus servos a graça, poder, discernimento e coragem para serem combatentes pela fé.
 
 

O Mundo Que Há de Vir

“Pois não foi a anjos que sujeitou o mundo que há de vir, sobre o qual estamos falando.” Hebreus 2:5

A expressão “ecumenismo” deriva da palavra grega oikoumene que é traduzida na Bíblia como “mundo habitado” ou “terra habitada”. No verso acima aparece como “mundo que há de vir”. O verdadeiro ecumenismo é aquele que promove os princípios do “mundo que há de vir”. Estaria o atual movimento ecumênico de igrejas em conformidade com aquilo que a Revelação aponta como princípios do reino vindouro?

Embora o Vaticano venha enfatizando o “escândalo da divisão” do cristianismo desde o Concílio Vaticano II, e promovendo o diálogo com as várias denominações cristãs “separadas” de Roma, e também com as religiões pagãs orientais, essa mesma postura de contemporização e relativismo tem afastado igrejas e grupos cristãos mais conservadores. E há razões de sobra que justificam essa atitude de cautela ou mesmo condenação:

1. De acordo com o autor Bert Beverly Beach, “o quadro escatológico da igreja de Deus antes da segunda vinda não é o de uma megaigreja reunindo toda a humanidade, mas o de um 'remanescente' da cristandade, aqueles que guardam os mandamentos de Deus e têm a fé de Jesus (Apocalipse 14:12)”.

Apocalipse 14:12
 “12 Aqui está a perseverança dos santos, daqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.”

2.  O movimento ecumênico tem dado mais importância à moralidade social do que à santificação pessoal. É uma espécie de coletivismo religioso, onde o consenso coletivo tem muito mais valor do que a consciência e a piedade pessoal. Isso é um sério problema para a verdadeira fé cristã já que, segundo o fundador do cristianismo, o passaporte para o “mundo que há de vir” é o arrependimento (que pressupõe mudança de atitude diante de Deus e conformidade com as verdades bíblicas): “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.” Mateus 4:17.

Mateus 4:17
 “17 Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.”

3.  O pluralismo de idéias dentro do ecumenismo também é um fator complicador. Debaixo do guarda-chuva ecumênico se abrigam não só os defensores da teologia liberal, que vão desde os que não consideram o texto bíblico normativo e dotado de autoridade, até os que acreditam na revelação proposicional (a inspiração não está no texto, mas na experiência do leitor), como também aqueles provenientes das religiões orientais, com seus conceitos pagãos, o que contraria abertamente a mensagem cristã: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão da luz com as trevas?... Retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor.” II Coríntios 6:14 - 18. Nas palavras de Bert B. Beach, “a separação e a divisão a fim de proteger e preservar a pureza e a integridade da igreja e sua mensagem são mais desejáveis do que a unidade em mundanismo e erro”. A verdade é uma só: “Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo?” Amós 3:3.

 II Coríntios 6:14-18
 “14 Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? ou que comunhão tem a luz com as trevas?
15 Que harmonia há entre Cristo e Belial? ou que parte tem o crente com o incrédulo?
16 E que consenso tem o santuário de Deus com ídolos? Pois nós somos santuário de Deus vivo, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
17 Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei;
18 e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.”

 Amós 3:3.
“3 Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?
13 Ouvi, e protestai contra a casa de Jacó, diz o Senhor Deus, o Deus dos exércitos:
14 Pois no dia em que eu punir as transgressões de Israel, também castigarei os altares de Betel; e as pontas do altar serão cortadas, e cairão por terra.
15 Derribarei a casa de inverno juntamente com a casa de verão; as casas de marfim perecerão, e as grandes casas terão fim, diz o Senhor.”

4.  Michael Urban, autor evangélico conservador (apesar de ser dispensacionalista – acredita que as profecias apocalípticas vão se cumprir com a nação de Israel literal –, seu pensamento sobre o ecumenismo é relevante), afirma que o problema maior para os cristãos com o ecumenismo é que, na verdade, este movimento pretende criar uma nova visão de mundo e uma nova idéia sobre Deus que abrangerá todas religiões. Em outras palavras, o Jesus pregado pelos cristãos tem que dar lugar a um Deus que seja comum a todas as religiões, incluindo as de cunho pagão.

5.  Segundo o mesmo autor, a arma eficaz usada pelo movimento ecumênico é a sedução. Aparência de piedade, mas o espírito continua totalmente anticristão. Fato comprovado ao verificarmos as várias frases de impacto usadas pelos seus defensores: “a doutrina separa, a oração une”, “devemos construir pontes e não muros” e “unidade no que é relevante, liberdade no que é secundário e, acima de tudo, o amor”. Todas essas frases de impacto escondem conceitos antibíblicos. “A doutrina separa, a oração une”: a doutrina é encarada como um obstáculo, e a separação que ela pode trazer como indesejável. Porém, Jesus mesmo foi quem previu: “Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre sua filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra.” Mateus 10:34 e 35. A doutrina também tem um lugar de destaque na fé cristã: “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai quanto o Filho.” II João 1:9. Urban conclui: “Como podemos unir em oração aquilo que Deus separou?”

6.  “Unidade no que é relevante, liberdade no que é secundário e, acima de tudo, o amor”: Porventura, há na mensagem bíblica aspectos secundários? Ou será que tudo que foi escrito para nosso proveito é que foi escrito? Se há aspectos secundários, quem deve determinar o que é secundário? Esvaziar a mensagem bíblica do seu todo orgânico é uma armadilha por detrás dos pressupostos ecumênicos.

Graças a Deus, há muitos cristãos conservadores que não se deixarão seduzir pela aparência de piedade destituída de poder.

“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens... tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes.” II Timóteo 3:1, 2 e 5.
 

http://diariodaprofecia.blogspot.com/2007/02/o-mundo-que-h-de-vir.html
 
 

Professor Azenilto G. Brito
Ministério Sola Scriptura


*************************** 

Outras Opções

Se desejar se comunicar com o autor, mande um e-mail para o link em baixo:
profazenilto@hotmail.com



Clique aqui para ir para a página do Prof. Azenilto ARTES CULINARIAS

  Clique aqui para para ir para a página de Historietas-Didaticas"

Clique aqui para ver artigos sobre Os"DEBATES CATÓLICOS"

Clique aqui para ver artigos sobre as "DOUTRINAS CATÓLICAS"

 Clique aqui para ver artigos sobre  SÁBADO OU DOMINGO

 Click aqui para ver artigos sobre a "Imortalidade"

 Click aqui para ler sobre as leis dietéticas

 Click aqui para ver artigos sobre as divisões das leis

 Clique aqui para voltar aos outros artigos

 Clique aqui para ir para os Artigos Numerados

 Clique aqui para ir para a página de livros.

 Ministerio Sola Scriptura