TRGÉDIA
POR ALIPIO DE ABBRAÃO
DECLAMADA POR
CLELIA BRITO


1
Noite! rasgam relâmpagos o espaço carregado de nuvens,
ruge o vento, que com força brutal de
FÉRREO BRAÇO,
envolve os seres em cruel tormento.
2
Tragédia horrenda, a noite é um labirinto,
cai a chuva, incessante, incansável,
o céu, é uma alma onde o sorriso é extinto,
tronitoa o trovão a cada instante.
3
Um vulto negro e tétrico, apoiado em rústico bordão,
devagarinho, vai tateando, tateando fatigado,
calcando o  lamaçal pelo caminho.
4
Barco sem vela demanda um porto,
seus olhos buscam longe uma visão.
E ele segue aos tropeços, quase morto,
mal podendo conter o coração.
5
De repente, uma voz desconhecida,
e aterradora como a própria morte,
aos ouvidos lhe chega. Ele trepida,
e a voz se torna cada vez mais forte.
6
"Onde vais desgraçado, que procuras?
Detém a tua marcha desnorteada,
põe um termo a tamanha desventura",
Não! Não sigas a tua caminhada".
7
"Quem es tu?"
diz o pobre caminheiro,
"Quem és tu, sombra oculta e misteriosa,
cuja voz me estremece o corpo inteiro,
e amedrontas a minha alma dolorosa?"
8
Mal termina a pergunta, quando em frente,
 lhe surge alguém de faca em punho e exclama:
"Sou eu, vamos portanto inconsciente!
 Mata esta sede de ouro que me inflama",
9
"Dá-me a carteira que contigo levas,
se não queres ser morto como um cão".
"Terás acaso mergulhado em trevas
como a terra esta noite, o coração?"
10
"Não vês,  bem sei os meus cabelos brancos,
minhas faces rugosas e enconvadas.
Mas eu que vivo aos trancos e barrancos,
só tenho as minhas vestes enlameadas".
11
"Deixa-me, pois, na minha vida errante,
se não sou mais que um mísero velhinho.
Que pretendes de mim, pobre viandante,
 que só quer prosseguir no seu caminho?"
12
Mas o vil salteador, fremindo cheio
 de um furioso despeito, os dentes cerra,
vibra a faca, e sem pena e sem receio,
sangra o infeliz, que tomba e cai por terra.
13
E enquanto o velho tomba e morre e  exangue,
foge o assassino a tiritar de susto,
vendo horrível caveira cor de sangue,
gravada em cada rocha, em cada arbusto.
 
 

14
Mais forte e mais terrível ruge o vento,
estrondeia o trovão que tudo abala,
e quando o raio aclara o firmamento,
maior é o  sobressalto que o assola.
15
Corre através  da  escuridão,
procura onde se esconda ao menos.
É um  fantasma  na solidão da noite que o tortura,
tudo o que avista o desnorteia e pasma.
                                                                                                               
16
Pára arquejante, exausto de fadiga,
quando ao longe uma luz avermelhada,
sorrindo lhe aparece, é  a estrela amiga,
que há de levá-lo, enfim, a uma  pousada.
17
E ele vai para lá tendo-a por guia,
na esperança de encontrar nalgum casebre,
conforto para a angústia que o escrucia,
sossego e paz para a sua alma em febre.
18
Chega, enfim, outra luz mais viva e clara,
mostra-lhe aos olhos um jardim florido
onde maior delícia ele depara,
ficando assim num sonho embevecido.
19
Mas chove, sopra o vento, o frio corta,
 "é preciso  que eu entre", diz consigo,
e erguendo as mãos, bate incessante à porta,
 da qual espera o desejado abrigo.
20
"Quem bate?" Alguém com voz tremente indaga.
"É um viajor, que perdido e sem caminho,
 lhe implora um pouso. Ai! que aflição me
 esmaga, neste momento o coração mesquinho"
.
21
"Mas", pergunta-lhe a voz, "como te chamas?" 
"Se te importa saber qual o meu nome,
acederei depois ao que reclamas.
Abre! que tenho frio e tenho fome"
.
22
Cala-se, então, a voz, e sem mais delonga
abre-se a porta, ele entra.
E sem temê-lo uma mulher de cabeleiras longas,
e alva de cãs, recebe-o com desvelo.
23
Diz um relógio como um ser que chora,
 três horas. Continua a escuridão,
 a chuva se abranda,  o vento agora,
cicia apenas, cala-se o trovão.
24
Na vasta sala pela qual se estendem lindos tapetes,
tudo enleva e encanta,
há por tudo belezas que surpreendem,
quadros e espelhos de um fulgor que espanta.
25
Queda-se um pouco a contemplar absorto,
numerosos retratos e gravuras,
reminiscência de um passado morto,
num abismo de máguas e torturas.
26
Dentre todos, porém, nota um retrato,
que lhe desperta sensações terríveis,
deixando-o assim profundamente abstrato
cheio de comoções intraduzíveis.
 
E como louco despreendendo um grito,
recua sem querer, amedrontado,
Com as mãos aperta o coração aflito,
 e exclama: "Não sou mais que um desgraçado".
28
A velhinha pergunta-lhe  surpresa:
"Que coisa extranha neste quadro  existe?
Que dor tão funda no teu seio pesa,
Que remorso ou pesar na tua alma existe?"
29
E ele tremendo e esbugalhando os olhos,
mostra o retrato que lhe fica em frente.
Que dor lhe vai no peito e nos refólios,
e vai dizendo alucinadamente.
30
"Aquele velho que ali vês a olhar-me,
é o que eu matei pouco no caminho,
Matei-o sem ruido e sem alarme,
e seu cadáver, lá ficou, sozinho".
31
"Infame! Assassinaste o meu marido,
e deixaste-me só, desamparada,
Ai! o meu bom velhinho tão querido,
sem ele morrerei desesperada".
32
E a gemer e a gritar, num desatino
a inditosa velhinha as mãos levanta,
pragueja e amaldiçoa o seu destino,
que a dilacera com durezas tantas.
33
Vendo-a assim desvairada e semi-louca
O bandido cruel, temendo ao certo,
 que a escute alguém, lhe diz:  "Cale esta boca,
que não seja o meu crime descoberto".
34
E assim falando no furor que cega,
na sede atroz de rápida vingança,
ele nem sente o coração que ofega,
e a daga em punho para a velha avança.
35
Ela, porém, de fronte erguida  o enfrenta
 e exclama: "Quem és tu que assim me dizes?
Maldita seja a tua mão odienta
que me fez a maior das infelizes".
36
"E como calar a dor que me trocidas?
Quem és e de onde vens carrasco abjeto?
Não terás tido alguém na tua vida,
que merecesse acaso o teu afeto?"
37
A estas palavras, mais do que de  pressa,
ele suspende o golpe cuminário,
e mal podendo murmurar começa,
 a amarga descrição do seu calvário.
38
"Basta mulher, basta, feriste agora,
 o meu coração na fibra da saudade.
despertaste em minha alma a dor que chora,
extinguiste o veno da maldade".
39
"Doces recordações! Eu também tive
já não sei onde, uma formosa estância,
onde em folguedos longo tempo estive,
e onde deixei as ilusões da infância".
40
"Lá viveram comigo muitos anos,
meus adorados pais, meus irmãozinhos,
mas eu, levado por fatais enganos,
atirei-me no negror destes caminhos".
41
"Eu era tão feliz nesta vivenda,
onde junto ao amor a paz reinava,
e hoje, ao peso da sorte mais horrenda,
já nem sei essa casa onde ficava". 

42
"Dei-me ao vício e aos crimes,
na  minha alma a luz do amor me parecia extinta,
quis por vezes ser bom, volver à calma,
sem coração, porém, não há quem sinta.
43
"
Tornei-me um salteador, um assassino,
Um monstro sem igual,  por quê?  Não sei,
só sei que sem fé, fiquei sem tino,
 
sem compaixão, e sem temor à lei".
44
"E foi assim, que ao surpreender na estrada,
 o teu marido,  o assassinei.
 Se é boa, como julgo, a tua alma bem formada,
este pecado horrífico perdoas?"

45
"Perdoar é dificil, no entretanto,
dize o teu nome e o de teus pais,
eu sinto aqui no coração imerso em pranto,
como uma luz a  brilhar no labirinto",
46
"Uma voz que me revela um mistério qualquer,
Não saberás quanto tempo abandonaste aquela,
cujo nome jamais esquecerás?
47
"Sim eu recordo-me bem, há já vinte anos
que deixei pelo mundo o lar paterno.
Minha mãe era um anjo entre os humanos,
Mas eu, troquei o meu céu por um inferno".

48

E ao impulso da angústia que o consome,
quase inconsciente do faz e diz,
enumera dizendo-lhes o nome,
dos que ficaram no seu lar feliz.

49
E à medida que os nomes vai citando,
do pai saudoso, da mãezinha amada,
dos irmãozinhos que deixou brincando,
abre a velhinha os olhos, espantada,

50
E no transporte que a domina exclama:
"Bem me dizia o coração ferido.
Tu és meu filho, e aquele que lá na lama
ficou morto, e que era o meu marido",
51
"era pois o teu pai, filho inditoso,
tu que foste o meu anjo predileto,
és o assassino do melhor esposo,
e um parricida de execrando aspecto".

52
Isto dizendo a mísera coitada,
cai de chofre sem voz sem movimento,
pois sua alma de frágil e esgotada,
não resistira a um golpe tão violento.
53
"Minha mãe! Minha mãe! Ouve o que eu digo.
Hei de ser para sempre o teu amparo,
em mim terás o mais sincero amigo,
serei um filho cada vez mais caro".
54
"Mas, levanta-te mãe, vem resoluta
aliviar o martírio que me corta?"
A velhinha, porém, já nada escuta,
nada sente nem vê porque está morta.
55
Junto à velha que dorme ali sem vida,
sem ter por si ao menos uma prece,
rola por terra o corpo de um suicida,
o cadáver do filho que enlouquece.


> ..
CLICK AQUI PARA LER AS MINHAS RAZÕES PARA DECLMAR.


FIM 

*************************** 

OutrasOpções

Se desejar se comunicar com o autor, mande um e-mail para o link em baixo:

otabrito@aol.com

 bcleliabrito@aol.com
Clique aqui para ir para a página do Prof. Azenilto ARTES CULINARIAS

  Clique aqui para para ir para a página de Historietas-Didaticas"

Clique aqui para ver artigos sobre Os"DEBATES CATÓLICOS"

Clique aqui para ver artigos sobre as "DOUTRINAS CATÓLICAS"

 Clique aqui para ver artigos sobre  SÁBADO OU DOMINGO

 Click aqui para ver artigos sobre a "Imortalidade"

 Click aqui para ler sobre as leis dietéticas

 Click aqui para ver artigos sobre as divisões das leis

 Clique aqui para voltar aos outros artigos

 Clique aqui para ir para os Artigos Numerados

 Clique aqui para ir para a página de livros.

 Ministerio Sola Scriptura