Vocês dão mais ênfase ao que a iluminada diz do que a Bíblia!

 1. Por que tantas divisões ou melhor subdivisões dentro da Igreja Evangélica?

Meu amigo,

Queria eu saber responder esta pergunta, mas vou mandar a sua carta para o meu marido que é um pastor muito informado em todas essas perguntas.

Mas, na minha opinião, é porque o inimigo de Deus “Satanás”  quer também ter os que lhe o adorem, e bloqueia a mente de muitas pessoas, e assim eles formam igrejas por qualquer pequena diferença que eles acharem em uma igreja. Em vez de ir aos dirigentes de tal igreja, eles fazem uma nova relegião ou seita com um nome diferente.

Nós Adventistas do Setimo Dia, seguimos somente o que emcontramos na Biblia, e nós não acreditamos em tradições como é o caso da sua  igreja.

Se a sua igreja comessar a seguir somente o que esta ordenado na Biblia que é a palavra de Deus, a sua relilgião será também uma relegião de salvação por ter obedecido a Deus.

O senhor pode notar que estas divisões de religião saguem o exemplo da sua igreja, e quase todas elas  observam o Domingo em vez do Sábado ditado por Deus.
 
Para maior20esclarecimento visite o nosso site que se acha no seguinte endereço

 “”                          &nb sp;                  htttp://www.azenilto.com  ;

Eu sou a responsavel por todos os artigos colocados ali.. Eu co pio dos artigos que meu marido escrevi e guarda-os no Microsoft Word, e transformo eles em html e ponho-os  no site para o  publico ler.

Gostaria muito que me escrevesse novamente.

Aqui fico,

e que Deus  lhe abençoe e lhe dê muito entendimento
 
e também lhe dê os desejos do seu coração, Salmos 37:4

Abraços
< br>
Clelia Reis Scopelite Brito
Bessemer, AL 35020
www.cleliasart.com
www.azenilto.com

Nós usamos a teologia católica? Os BSD usam unicamente as Sagradas escrituras como regra de fé. Emquanto os ASD  o que menos usam é a bíblia. Desde quando 2300 sacrífícios são dias? E o bode emisário é satanás? Onde vocês aprenderam esta bobagem?
Leia minha matéria onde esplico direitinho o assunto.
Fique na paz.

Caro amigo

       Que pena que os batistas do sétimo dia, que tão corajosamente ousaram desafiar o sistema dominante do catolicismo, impondo sobre a cristandade o seu domingo, acate as interpretações católicas sobre as profecias de Daniel.
       Talvez ignore que quem inventou essas interpretações escatológicas que depois foram "compradas" pelo mundo protestante foi um erudito católico chamado Francisco Ribera. Ele se sentia bastante "desconfortável" sabendo o que os Reformadores, e depois Wesley, ensinavam sobre a figura do Anticristo e criou um personagem fictício que futuramente se manifestaria no mundo, e perseguiria os judeus, assentando-se literalmente no Templo a ser reedificado, etc. O mundo protetestante caiu literalmente no "conto do vigário" e desenvolveu teses várias com base nessas noções, como o "arrebatamento secreto" e outras noções em que se desviaram totalmente do real sentido do ensino bíblico.
       Veja na nossa seção "Entendendo as Profecias das Escrituras" como discutimos toda essa problemática, bem como Antíoco Epifânio e tudo o mais. Os batistas do sétimo dia não sabem explicar MELHOR as profecias de Daniel 8:14 e cap. 9, e fazem o jogo do catolicismo e do protestantismo anti-sabático com suas interpretações particulares. É uma pena.
       Eis o endereço da nossa série de estudos iluminadora sobre essa questão toda:  http://foroadventista.com/index.php?topic=612.0
       Veja pelo fim da primeira página de estudos o artigo "O Mito de Antíoco Epifânio Como Sendo a Ponta Pequena de Daniel 7 e 8".
       O autor que me cita dentre os bsd não parece compreender que Roma pagã transformou-se em Roma papal, assim a figura da ponta pequena prossegue como um poder intolerante e dominante do mesmo espírito do poder que o antecedeu.
       Espero que analise essas coisas em profundidade. Depois que o fizer, volte a comunicar-se.
      Tenha uma feliz semana.

Prof. Azenilto G. Brito
 

Vejam adicionalmente este breve estudo abaixo que ajuda a ter um panorama abrangente das razões de evangélicos confundirem-se tanto na análise de certos temas bíblicos:

Os três principais problemas com os cristãos protestantes para
entender as Escrituras seriam, a meu ver:

a - A incompreensão da razão da escolha divina de Israel.

         A razão de Deus ter o Seu "povo escolhido" não foi só para conceder-lhe privilégios, mas uma MISSÃO. Nesse ponto muitos cristãos se confundem. Não entendem que Israel devia cumprir o papel de "testemunhas de IHWH" e luz das nações até os confins da Terra (Isa. 43:10, 11; 49:6).

       Por isso Israel situava-se numa região do mundo ainda hoje tremendamente estratégica--a encruzilhada de três continentes--Europa, Ásia e África.

       O papel de Israel era transmitir aos moradores da Terra o conhecimento do verdadeiro Deus, Sua lei e Seu plano de salvação [Ver Salmo 67].

       O apelo divino para os estrangeiros unirem-se ao concerto com Israel em Isa. 56:2-7 (por sinal, a partir da observância do sábado) ocorre no contexto do ideal divino expresso no vs. 7, "a Minha casa será chamada casa de oração para TODOS os povos".

b - A incompreensão do teor dos debates de Paulo sobre a lei.

       A chave para entender isso é Rom. 9:30-32. Paulo diz que a fé NÃO ANULA a lei, e sim a CONFIRMA (Rom. 3:31), e diz que com a sua mente serve à lei de Deus (Rom. 7:25), a que traz o preceito "não cobiçarás", sendo santa, justa, boa, espiritual (vs. 7, 8, 12, 14, 22), dela recomendando naturalmente aos GENTIOS de Éfeso e Roma os seus 5o., 6o., 7o., 8o., 9o. e 10o. preceitos (Efé. 6:1-3; 4:24-31; Rom. 13:8-10).

       Paulo não condenava a lei, e sim o seu "uso ilegítimo" (1 Tim. 1:8)--tê-la como fonte de justiça, o que nunca representou o seu real papel. Esse uso errado da lei causou o tropeço da nação.

c - A incompreensão sobre o teor dos debates de Cristo quanto ao sábado.

       Para isso basta perguntar: Qual era o teor de tais debates com a liderança judaica--SE deviam guardar o sábado, QUANDO guardar o sábado, ou COMO observar o dia no seu devido espírito?

       Sabendo responder esta pergunta se terá a solução plena da questão.
 

 Pergunta de um Católico
 
 
 

Subject: Re: Pergunta de um Católico
 

DIA DO SENHOR: SÁBADO OU DOMINGO?
 

Por Prof. Alessandro Lima.
Introdução
Pelo fato dos primeiros cristãos terem vindo do judaísmo, desde os tempos apostólicos houve uma certa controvérsia no seio da Igreja Antiga, sobre quais normas dadas por Deus no AT deveriam ou não ser abolidas. A questão torna-se ainda mais grave pelo fato de que os cristãos oriundos do paganismo (gentilidade) são evangelizados sem tomarem conhecimento das observâncias mosaicas. Os primeiros conflitos tornaram-se inevitáveis, obrigando os apóstolos a se reunirem em Jerusalém para tratar de tal questão (At 15)..
Neste contexto qual deveria ser o Dia de Adoração a Deus? O Sábado conforme fora transmitido por Moisés e os Profetas, ou o Domingo, dia da Ressurreição?
A Instituição do Dia de Adoração
Todos sabem que no AT, o Senhor instituiu o Sábado como o Seu dia de adoração. Mas resta a pergunta: por que? Para entendermos o motivo deste mandamento divino, devemos responder às seguintes perguntas: 1) Por que Deus instituiu um dia para o Seu culto? 2) Por que o Sábado (Shabath) foi escolhido para ser este dia?
A resposta para a primeira pergunta encontramos no livro do Deuteronômio, onde lemos: ?Lembra-te de que foste escravo no Egito, de onde a mão forte e o braço poderoso do teu Senhor te tirou. É por isso que o Senhor, teu Deus, te ordenou observasses o dia do sábado? (Dt 5,15).
Como vemos a observância de um dia de adoração está relacionada à libertação que o Senhor proporcionou ao povo Hebreu, quando o tirou do cativeiro no Egito. Deus manifesta-se como o libertador de Seu povo, manifestando todo o Seu Poder e Glória, como verificamos no envio das pragas (cf. Ex 8;9;10;11) e depois ao separar o Mar Vermelho (cf. Ex 14,21-31) para que Israel pudesse finalmente se ver livre do julgo do Faraó.
O Deus libertador é aquele que guia o Seu Povo à Terra Prometida. Devemos perceber aqui que a libertação promovida pelo Senhor da escravidão do Egito é prenúncio da libertação que Cristo posteriormente promoverá da escravidão do pecado, nos conduzindo à Jerusalém Celestial.
Quanto à segunda pergunta, a resposta encontramos no livro do Êxodo: "Porque em seis dias o Senhor fez o céu, a terra, o mar e tudo o que contêm, e repousou no sétimo dia; e por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o consagrou" (Ex 20,11; cf. Gn 2,3).
Por esta razão no dia da libertação, o homem também deveria livrar-se do trabalho secular (cf. Am 8,5; Ex 34,21; 35,3; Ez 22,8; Jr 17,19-27; Dt 5,1 2-14); no dia em que Deus manifestou o Seu Amor pelo povo, o povo também manifestaria o seu amor por Ele (Lv 23,3; Lv 24,8; 1Cr 9,32; Nm 28,9-10; Is 1,12s). Isto lembra as palavras de São João: ?Nós amamos, porque Deus nos amou primeiro? (1 Jo 4,19).
Depois do que foi exposto, podemos identificar a dupla raiz da instituição do Dia de Adoração:
1)       O dia da salvação do povo de Deus conforme Dt 5,15;
2)       O dia da plenitude da criação cf. Ex 20,11; pois o Senhor cessou o seu trabalho (a criação do mundo) no sétimo dia, por que ele foi terminado no sexto dia. Deus não se cansa, caso contrário não seria Deus. O ?descanso? ou=2 0?repouso? de Deus refere-se à cessão do Seu Divino trabalho. Shabath (Sábado) significa ?cessão?, ?término de alguma atividade?. Por isso, o Sétimo Dia também é o dia da Plenitude da Criação e não do ?descanso? de Deus.
 

Jesus, o Sábado e o Domingo
Com o passar do tempo, os Judeus deturparam a observância do Sábado. Eles se esqueceram das raízes espirituais desta divina observância, e se prenderam apenas à letra.
Na época de Jesus, 39 tipos de trabalho eram proibidos. Entre eles colher espigas (cf. Mt 12,2), carregar fardos (Jo 5,10), etc. Os doentes só podiam ser atendidos em perigo iminente de morte, motivo pelo qual se opuseram a Jesus, que curava aos sábados (cf. Mt 12,9-13; Mc 3,1-5; Lc 6,6-10; 13,10-17; 14,1-6; Jo 5,1-16; 9,14-16).
O Senhor contra os fariseus afirmou: "O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado" (Mc 2,27). Por isso, declarou que era o Senhor do Sábado (Mc 2,28) e foi incriminado pelos doutores da Lei (Jo 5,9), ao que respondeu que nada mais fazia senão imitar o Pai que, mesmo tendo cessado a criação do mundo, continuou a governá-lo e também aos homens (Jo 5,17)..
Alguns cristãos acreditam que neste momento Jesus estava abolindo a observância do Sábado. Os sabatistas contra-argumentam dizendo que não; que Jesus estava era resgatando o sentido espiritual (a verdadeira raiz) desta divina observância. E neste ponto eles estão com toda razão.
Entretanto, os sabatistas enganam-se em pensar que a divina observância do Dia de Adoração, estaria para sempre fixada no Sábado.
Eles argumentam que o Sábado é perpétuo. Se isto fosse verdade, significaria que toda Lei Levítica (circuncisão, páscoa, incenso, sacerdócio, etc) também seria perpétua. Por exemplo, em Ex.12:14 está declarado que a páscoa terá de ser observada "por suas gerações" e "para sempre", exatamente como é dito sobre o Sábado. A oferta de incenso também20é dita como perpétua (Ex.29:42). Lavagem de mãos e pés também (Ex.30:21).
Quando o Senhor afirma que o Sábado é perpétuo, não está se referindo à fixação do sétimo dia como dia de Adoração, mas refere-se ao Seu acordo, à Sua fidelidade para com a humanidade.
É o próprio Deus que através dos Profetas do AT anuncia que Seu Acordo se dará de uma nova forma: "Eis que os dias vêm, diz o Senhor, em que farei um pacto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá, não conforme o pacto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, esse meu pacto que eles invalidaram, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. Mas este é o pacto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. E não ensinarão mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior, diz o Senhor; pois lhes perdoarei a sua iniqüidade, e nã o me lembrarei mais dos seus pecados" (Jr.31:31-34) (grifos meus).
O pacto da Antiga Aliança seria substituído por um Novo, onde o primeiro foi apenas uma figura do segundo que é Eterno (cf. Hb 9 ). Neste Novo pacto, o Senhor instituiria um novo dia para Sua Adoração, pois em um novo dia Ele iria salvar o seu Povo para sempre, conforme profetizou Oséias: ?Farei em favor dela [Sua nova nação, a Igreja], naquele dia, uma aliança, com os animais selvagens, com as aves do céu e com os répteis da terra: farei desaparecer da terra o arco, a espada e a guerra e os farei repousar em segurança. Então te desposarei para sempre; desposar-te-ei conforme a justiça e o direito, com misericórdia e amor. Desposar-te-ei com fidelidade, e tu conhecerás o Senhor? (OS 2,20-22) (grifos meus).
O Senhor Jesus não aboliu a observância do Sábado em seu debate com os fariseus. Ele o fez após cumprir o anúncio dos Profetas, morrendo na Cruz e ressuscitando no primeiro dia da semana: Domingo.
Na Antiga Aliança, o Sábado foi estabelecido como o Dia de Adoração, pois foi o Dia da Libertação (cf. Deut 5,15) e o Dia d a Plenitude da Criação (cf. Ex 20,11).
Na Nova e Eterna Aliança, o Domingo é estabelecido como o Novo Dia de Adoração, pelas mesmas razões: é o Dia em que o Senhor nos salvou do cativeiro do pecado e o Dia em que ressurgindo da Mansão dos Mortos, cessou o trabalho em Sua nova Criação (a natureza humana incorruptível). Desta forma, o Domingo também é o Dia da Libertação e da Plenitude da Criação.
A própria carta aos Hebreus acentua a índole figurativa do sábado, afirmando que o repouso do sétimo dia era apenas uma imagem do verdadeiro repouso que fluiremos na presença de Deus (cf. Hb 4,3-11). Onde no Sábado estava a figura (o prenúncio), no Domingo está a concretização. O Domingo é o Sábado eterno.
O Testemunho de Cristo, dos Apóstolos e do Espírito Santo
Jesus aparece à primeira vez aos Apóstolos no domingo, no dia da Ressurreição. Imaginem a alegria que os Apóstolos sentiram ao ver o Senhor Ressuscitado! Sobre isto escreveu o Salmista: "A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se cabeça da esquina. Foi o Sen hor que fez isto, e é coisa maravilhosa aos nossos olhos. Este é o dia que fez o Senhor; regozijem-nos e alegremo-nos nele" (Sl 118,22-24). Ora, Jesus se tornou a Pedra Angular no dia em que Ressucitou, o dia da Ressurreição "foi o Dia que o Senhor fez".
Conforme o Profeta Jeremias, em Seu novo pacto, o Senhor promete escrever a Sua Lei no interior e no coração dos homens. E conforme Ozéias, no dia em que isto acontecer, os homens O conhecerão. Ora, isto se cumpre exatamente num Domingo, quando o Espírito Santo é dado aos Apóstolos (cf. Jo 20:19-23; At 2,1-4); pois é o Espírito Santo que nos convence da vontade de Deus.
A segunda aparição do Senhor aos discípulos não é no Sábado, mas no novo ?dia que o Senhor fez? (cf. Sl 118,24), isto é, no Domingo (cf. Jo 20:26), dia em que Tomé o adora como Deus (cf. Jo 20:29). Talvez temos aqui a primeira adoração cristã a Deus no dia de Domingo.
O Culto Cristão acontece no domingo (cf. At 20:7; 1Cor 16:2). Os Sabatistas alegam que20a ?Ceia do Senhor? não era uma reunião de culto. A Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios mostra claramente que a reunião da ?Ceia do Senhor? era uma reunião de culto. Basta verificar os capítulos 11 a 16.
No entanto muitos cristãos se viam tentados a judaizar, isto é, a observar as prescrições da Lei Mosaica. Os Gálatas era um exemplo e por causa deles São Paulo dirige-lhes uma epístola exatamente para tratar desta questão. E vejam a bronca que o Apóstolo dá neles: ?Ó insensatos gálatas! Quem vos fascinou a vós, ante cujos olhos foi apresentada a imagem de Jesus Cristo crucificado? Apenas isto quero saber de vós: recebestes o Espírito pelas práticas da lei ou pela aceitação da fé? Sois assim tão levianos? Depois de terdes começado pelo Espírito, quereis agora acabar pela carne?? (Gl 3,1-3).
Quem ainda duvidar de que São Paulo também estava se referindo à observância do Sábado, então veja o que ele escreveu aos Colossenses: "Que ninguém vos critique por questões de comida ou bebida, pelas festas, luas novas ou sábados. Tudo isso nada mais é que uma sombra do que haveria de vir, pois a realidade é Cristo" (Cl 2,16-17) (grifos meus).
São Paulo confirma que o Antigo acordo (que incluía a observância do Sábado) foi substituído pelo Novo acordo cumprido pela Morte e Ressurreição do Senhor Jesus (que inclui agora o Domingo como o Dia do Senhor).
Mais uma confirmação Bíblica de que o Domingo é o Dia do Senhor, está no Livro do Apocalipse. Em Ap 1,10 São João escreve: ?Num domingo, fui arrebatado em êxtase, e ouvi, por trás de mim, voz forte como de trombeta?. A expressão que no português está como ?num domingo? no original grego está "té kyriaké hémerà", que significa ?No Dia do Senhor?. Ora, aqui São João está dizendo que no Domingo, que é Dia do Senhor, Deus lhe deu uma revelação. Se o Domingo não é o Dia do Senhor, por que São João assim o indicou no Livro do Apocalipse?
Testemunhos dos primeiros cristãos
A Igreja do período pB 3s-Apostólico, também confirmou a doutrina do Novo Dia de Adoração que recebeu dos Apóstolos. Vejamos alguns exemplos:
"Reúnam-se no dia do Senhor [= dominica dies = domingo] para partir o pão e agradecer, depois de ter confessado os pecados, para que o sacrifício de vocês seja puro" (Didaqué 14,1 - primeiro catecismo cristão, escrito no séc. I, mais precisamente no ano 96 dC) (grifos meus).
Santo Inácio, Bispo de Antioquia, que segundo a Tradição foi a criança que Cristo pegou no colo em Mc 3,36, também confirma a Doutrina Apostólica do Domingo: "9. Aqueles que viviam na antiga ordem de coisas chegaram à nova esperança, e não observam mais o sábado, mas o dia do Senhor, em que a nossa vida se levantou por meio dele e da sua morte. Alguns negam isso, mas é por meio desse mistério que recebemos a fé e no qual perseveramos para ser discípulos de Jesus Cristo, nosso único Mestre. Como podemos viver sem aquele que até os profetas, seus discípulos no espírito, esperavam como Mestre? Foi precisamente aquele que justamente esperavam, que ao chegar, os ressuscitou dos mortos. 10. Portanto, não sejamos insensíveis à sua bondade. Se ele nos imitasse na maneira como agimos, já não existiríamos. Contudo, tornando-nos seus discípulos, abraçamos a vida segundo o cristianismo. Quem é chamado com o nome diferente desse, não é de Deus. Jogai fora o mau fermento, velho e ácido, e transformai-vos no fermento novo, que é Jesus Cristo. Deixai-vos salgar por ele, a fim de que nenhum de vós se corrompa, pois é pelo odor que sereis julgados. É absurdo falar de Jesus Cristo e, ao mesmo tempo judaizar. Não foi o cristianismo que acreditou no judaísmo, e sim o judaísmo no cristianismo, pois nele se reuniu toda língua que acredita em Deus " (Carta de Santo Inácio de Antioquia aos Magnésios. 101 d.C.) (grifos meus).
Como se vê o discípulo pessoal de São Paulo confirma a doutrina que recebeu do Mestre, conforme este mesmo expôs aos Gálatas (Gl 1;3) e aos Colossenses (Cl 2,16-17).
Outro testemunho do séc II sobre o Domingo é de Justino de Roma, vejamos:
"67. Depois dessa primeira iniciação, recordamos constantemente entre n=C 3s essas coisas e aqueles de nós que possuem alguma coisa socorrem todos os necessitados e sempre nos ajudamos mutuamente. Por tudo o que comemos, bendizemos sempre ao Criador de todas as coisas, por meio de seu Filho Jesus Cristo e do Espírito Santo. No dia que se chama do sol, celebra-se uma reunião de todos os que moram nas cidades ou nos campos, e aí se lêem, enquanto o tempo o permite, as Memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas. Quando o leitor termina, o presidente faz uma exortação e convite para imitarmos esses belos exemplos. Em seguida, levantamo-nos todos juntos e elevamos nossas preces. Depois de terminadas, como já dissemos, oferece-se pão, vinho e água, e o presidente, conforme suas forças, faz igualmente subir a Deus suas preces e ações de graças e todo o povo exclama, dizendo: ?Amém?. Vem depois a distribuição e participação feita a cada um dos alimentos consagrados pela ação de graças e seu envio aos ausentes pelos diáconos. Os que possuem alguma coisa e queiram, cada um conforme sua livre vontade, dá o que bem lhe parece, e o que foi recolhido se entrega ao presidente. Ele o distribui a órfãos e viúvas, aos que por necessidade ou outra causa estão necessitados, aos que estão nas prisões, aos forasteiros de passagem, numa palavra, ele se torna o provedor de todos os que se encontram em necessidade. Celebramos essa reunião geral no dia do sol, porque foi o primeiro dia em que Deus, transformando as trevas e a matéria, fez o mundo, e também o dia em que Jesus Cristo, nosso Salvador, ressuscitou dos mortos. Com efeito, sabe-se que o crucificaram um dia antes do dia de Saturno e no dia seguinte ao de Saturno, que é o dia do Sol, ele apareceu a seus apóstolos e discípulos, e nos ensinou essas mesmas doutrinas que estamos expondo para vosso exame" (Justino de Roma 155 d.C, I Apologia cap 67) (grifos meus).
No tempo de Justino os cristãos eram ferozmente perseguidos e acusados das mais variadas calúnias. Justino que era responsável por uma escola de estudos bíblicos, escreve uma apologia (defesa) ao Imperador em favor dos cristãos. Por isso, ele ao se referir ao domingo utiliza a expressão ?dia do sol?, pois era no primeiro dia da semana que os pagãos adoravam o sol.
Podemos verificar aqui mais uma vez que a ?Ceia do Senhor? não era uma mera reunião de confraternização, mas uma celebração de culto a Deus.
Ainda do segundo século temos o testemunho do advogado cristão Tertuliano, que escreveu muitas obras para as autoridades romanas em defesa dos cristãos perseguidos:
"Outros, de novo, certamente com mais informação e maior veracidade, acreditam que o sol é nosso deus. Somos confundidos com os persas, talvez, embora não adoremos o astro do dia pintado numa peça de linho, tendo-o sempre em sua própria órbita. A idéia, não há dúvidas, originou-se de nosso conhecido costume de nos virarmos para o nascente em nossas preces. Mas, vós, muitos de vós, no propósito às vezes de adorar os corpos celestes moveis vossos lábios em direção ao oriente. Da mesma maneira, se dedicamos o dia do sol para nossas celebrações, é por uma razão muito diferente da dos adoradores do sol. Temos alguma semelhança convosco que dedicais o dia de Saturno (Sábado) para repouso e prazer, embora também estejais muito distantes dos costumes judeus, os quais certamente ignorais" (Tertuliano 197 d.C. Apologia part.IV cap. 16) (grifos meus).
Tertuliano como escreve para os pagãos, também se refere ao primeiro dia da semana como ?o dia do sol?. Ele é testemunha que nestes dia os cristãos não adoravam o sol, mas a C risto.
Do terceiro século temos o testemunho de Hipólito de Roma, que também confirma a Tradição Apostólica de celebrar o culto cristão no Domingo: "No domingo pela manhã, o bispo distribuirá a comunhão, se puder, a todo o povo com as próprias mãos, cabendo aos diáconos o partir do pão; os presbíteros também poderão parti-lo. Quando o diácono apresentar a eucaristia ao presbítero, estenderá o vaso e o próprio presbítero o tomará e distribuirá ao povo pessoalmente. Nos outros dias, os fiéis receberão a eucaristia de acordo com as ordens do bispo" (Hipólito de Roma 220 d.C Tradição Apostólica part III) (grifos meus).
Conclusão
A fundadora do Adventismo do Sétimo Dia, a senhora Ellen G. White, afirmava em seus escritos que a instituição do Domingo como dia do Senhor, era invenção do Papado, e quem observasse este dia com Dia do Senhor receberia a marca da Besta. Por esta razão alguns Adventistas (acreditando mais na senhora White do que na Bíblia, nos Apóstolos, no Espírito Santo e nos cris tãos dos primeiros séculos) têm procurado fundamentar esta afirmação pesquisando onde o Papado teria feito tal instituição.  O melhor que fizeram até agora foi afirmar que o Papado substituiu o Dia do Senhor de Sábado para Domingo durante o Concílio de Laodicéia na Frigia, realizado em 360.
O Concílio de Laodicéia apenas confirmou a doutrina apostólica da observância do Domingo contra os cristãos judaizantes. Este Concílio não foi Geral, mas Local, e por esta razão, não envolveu o Bispo de Roma e nem tinha o poder de alcançar a Igreja inteira espalhada pelo mundo.
Devemos lembrar que os decretos contra os cristãos judaizantes foram instituídos pelos Apóstolos durante o Concílio de Jerusalém (cf. At 15). Conforme já expomos, estes decretos não favoreciam a observância do Sábado como Dia do Senhor.
Os Bispos de Jerusalém sempre foram fiéis a estes decretos, conforme podemos observar no testemunho de São Cirilo, Bispo de Jerusalém: ?Não ceda de forma alguma ao partido dos Samaritan os, ou aos Judaizantes: por Jesus Cristo de agora em diante foste resgatado. Mantenha-se afastado de toda observância de Sábados, sobre o que comer ou como se purificar. Mas abonime especialmente todas as assembléias dos perversos heréticos? (São Cirilo de Jerusalém. Carta 4, 37) (grifos meus).
Então, devemos ficar com o testemunho de Ellen G. White ou com o testemunho de Jeremias, Oséias, Jesus, Espírito Santo, dos Apóstolos e dos primeiros cristãos?
 

--------------------------------------------------------------------------------

Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte e o(s) autor(es).
Para citar este artigo:
LIMA, Alessandro. Apostolado Veritatis Splendor: DIA DO SENHOR: SÁBADO OU DOMINGO?. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/3948. Desde 28/08/2006.
 

--- Em dom, 22/3/09, bcleliabrito@aol.com <bclelia brito@aol.com> escreveu:

O senhor não sabe do perigo que existe em tirar um verso sem contesto e usa-lo como prova de uma coisa?

Por exemplo em Mateus 27:3-5 nós lemos:

3 Então Judas, aquele que o traíra, vendo que Jesus fora condenado, devolveu, compungido, as trinta moedas de prata aos anciãos, dizendo:
4 Pequei, traindo o sangue inocente. Responderam eles: Que nos importa? Seja i sto lá contigo.
5 E tendo ele atirado para dentro do santuário as moedas de prata, retirou-se, e foi enforcar-se.
 

Aqui vemos que Judas se enforcou, certo?

Agora em Lucas 10:37 última parte Jesus nos diz:

Disse-lhe, pois, Jesus: Vai, e faze tu o mesmo.

Ora se eu vou fazer o mesmo porque está na Bíblia então eu também vou me enforcar e vou dizer que foi uma ordem de Cristo.
 

Nós não podemos nos basear em somente um verso fora do contesto compreende?

Agora vamos analisar o verso que o senhor mencionou.

Atos 20:7 No primeiro dia da semana, tendo-nos reunido a fim de partir o pão, Paulo, que havia de sair no dia seguinte, falava com eles, e prolongou o seu discurso até a meia-noite.

Meu senhor me diga a que fim foi Paulo para aquela casa?

Eu sei que era uma casa, e eles estavam no terceiro andar.

Atos 20:8,9
8 Ora, havia muitas luzes no cenáculo onde estávamos reunidos.
9 E certo jovem, por nome Êutico, que estava sentado na janela, tomado de um sono profundo enquanto Paulo prolongava ainda mais o seu sermão, vencido pelo sono caiu do terceiro andar abaixo, e foi levantado morto.

Depois disto Paulo ressuscitou o morto e prolongou o sermão até na Segunda feira de manhã.

Atos 20:11
11 Então subiu, e tendo partido o pão e comido, ainda lhes falou largamente até o romper do dia; e assim partiu.
 

Voltando a minha primeira pergunta, a que fim foi Paulo para aquela casa?

Vejamos o que a Bíblia diz:

Atos 20:7
7 No primeiro dia da semana, tendo-nos reunido a fim de partir o pão, Paulo, que havia de sair no dia seguinte, falava com eles, e prolongou o seu discurso até a meia-noite

Está vendo, ele foi para aquela casa para jantar, e sabe por que?

Paulo, que havia de sair no dia seguinte,

Paulo ia sair no dia seguinte, e foi  jantar com os seus amigos, uma espécie de um bota fora, quando se vai fazer uma viagem. Creio que o senhor faz o mesmo, não é?

Por que foi que Paulo mandou que lhe trouxessem as ofertas?

=0 A
Ora se ele ia viajar era para ele poder levar com ele as ofertas, será    que não pode compreender isso?

Como é que o senhor quer provar que Paulo mudou a observância do Sábado para o Domingo somente por ele ter tido um jantar na casa dos amigos?

É uma razão muito fraca meu amigo.

Veja que o Sábado foi ordenado por Deus e nem Paulo nem ninguém poderia alterar o que Deus ordenou.

Vejamos as ordens de Deus quanto ao Sábado

Gênesis:2:1-3
1 Assim foram=2 0acabados os céus e a terra, com todo o seu exército.
2 Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera.
3 Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que criara e fizer a.

Êxodo 20:8-11
8 Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.
9 Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho;
10 mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas.
11 Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou.
 

Como  é  que um humano como Paulo poderia mudar o que Deus SANTIFICOU?

Ele não mudou, e depois de 321 anos depois que todos os apóstolos já terem morrido, os cristos ainda estavam guardando o Sábado, e foi porque os cristãos20ainda guardavam o Sábado como o dia santo que quando o imperador  Constantino o grande, aceitou o cristianismo, e para não perder a popularidade com seus fies mandou uma ordem para mudar o Sábado para o domingo o dia do sol que eles adoravam.

Procure um livro da historia antiga e estude isto e vai ver que estou certa.

 O próprio catecismo revela que o Sábado foi mudado por eles.

Sua carta:
"No primeiro dia da semana, cada um de v3s ponha de parte e junte o que lhe parecer..."( I Cor, XVI, 2).

Se você ler bem o texto dos Atos dos Apóstolos, você verá que lá está escrito que os cristãos se reuniam no primeiro dia da semana: "No primeiro dia da semana, tendo-nos nós reunidos para a fração do pão(...) ( Atos dos Apóstolos, XX, 7). E São Paulo, escreveu : "No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte e junte o que lhe parecer...."( I Cor, XVI, 2).

E no Apocalipse, diz São João: "Um dia de domingo, fui arrebatado" (Apocac. I, 10).

A Didaché, que é um dos20documentos mais antigos da era cristã diz : "No dia do Senhor (no domingo) reuni-vos todos juntos para a fração do pão E dai graças (oferecendo a Eucaristia) depois de confessar os vossos pecados para que vosso sacrifício seja puro" (Didaché, XIV).

E o historiador romano Plínio, em carta ao imperador Trajano, no ano 96, escreveu: "Os cristãos tem um dia fixo para reunir-se e louvar o seu Deus".

Ora, se fosse no sábado, Plínio teria dito que os cristãos -- como o s judeus -- louvavam a Deus no sábado. Não disse isso, porque sabia que os cristãos louvavam a Deus em dia diferente dos judeus. Portanto, desde os princípios do cristianismo, os cristãos guardavam o domingo e não o sábado.

E São João morreu nos anos 90. Santo Inácio de Antioquia, no ano 107, diz aos cristãos de seu tempo que "de nenhuma maneira os cristãos devem sabatizar". São Justino, no ano 152, diz que os cristãos festejavam o primeiro dia da semana e não o sábado. (Apologia). E Tertuliano, lá pelo ano 200, diz que os cristãos festejavam o dia da Ressurreição de Cristo, que foi no domingo. Por isso, é falso afirmar que foi Constantino, depois do ano 313, que decretou essa mudança.

Como você vê, não faltam provas históricas de que os primeiros cristãos guardavam o domingo e não o sábado.

Eu novamente
Pro favor me prove isto? Porque o que me disse antes não prova nada.

Me dê uma passagem que diga que o domingo está santificado por Deus?
 
 
 

Por que tantas divisões ou melhor subdivisões dentro da Igreja Evangélica?
 
 
 
 

Subject: Re: Pergunta de um Católico

Se você ler bem o texto dos Atos dos Apóstolos, você verá que lá está escrito que os cristãos se reuniam no primeiro dia da semana: "No primeiro dia da semana, tendo-nos nós reunidos para a fração do pão(...) ( Atos dos Apóstolos, XX, 7). E São Paulo, escreveu : "No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte e junte o que lhe parecer..."( I Cor, XVI, 2).

E no Apocalipse, diz São João: "Um dia de domingo, fui arrebatado" (Apocac. I, 10).

A Didaché, que é um dos documentos mais antigos da era cristã diz : "No dia do Senhor (no domingo) reuni-vos todos juntos para a fração do pão E dai graças (oferecendo a Eucaristia) depois de confessar os vossos pecados para que vos so sacrifício seja puro" (Didaché, XIV).

E o historiador romano Plínio, em carta ao imperador Trajano, no ano 96, escreveu: "Os cristãos tem um dia fixo para reunir-se e louvar o seu Deus".

Ora, se fosse no sábado, Plínio teria dito que os cristãos -- como os judeus -- louvavam a Deus no sábado. Não disse isso, porque sabia que os cristãos louvavam a Deus em dia diferente dos judeus. Portanto, desde os princípios do cristianismo, os cristãos guardavam o domingo e não o sábado.

E São João morreu nos anos 90. Santo Inácio de Antioquia, no ano 107, diz aos cristãos de seu tempo que "de nenhuma maneira os cristãos devem sabatizar". São Justino, no ano 152, diz que os cristãos festejavam o primeiro dia da semana e não o sábado. (Apologia). E Tertuliano, lá pelo ano 200, diz que os cristãos festejavam o dia da Ressurreição de Cristo, que foi no domingo. Por isso, é falso afirmar que foi Constantino, depois do ano 313, que decretou essa mudança.

Como você vê, não faltam provas históricas de que os primeiros cristãos guardavam o domingo e não o sábado.

--- Em sáb, 21/3/09, bcleliabrito@aol.com <bcleliabrito@aol.com> escreveu:
 

    De: bcleliabrito@aol.com <bcleliabrito@aol.com>
    Assunto: Re: Pergunta de um Católico
    Para: freitasmaximus@yahoo..com.br
    Data: Sábado, 21 de Março de 2009, 20:44

    Boa tarde,
 

    Estou completamente decepcionada nesta carta sua. O senhor não fez a primeira pergunta honestamente. Eu respondi porque pensei que a pergunta fosse honesta. Mas pela sua resposta eu vejo que era uma manipulação para começar a me dar estudos bíblicos católicos.

    O senhor sabia que manipular é o mesmo que mentir, e isto é quebrar os mandamentos de Deus?

    A sua igreja não foi fundada por Cristo. Os apóstolos todos guardavam o Sábado e só depois que Constantino mudou o Sábado para o Domingo foi  que começou a igreja Católica.

    O senhor não pode me enganar com as suas manipulações.

    Só me escreva quando deixar de manipular ok?

    Clelia Reis Scopelite Brito
    Bessemer, AL 35020
    www.cleliasart.com
 

    Clelia Reis Scopelite Brito
    Bessemer, AL 35020
    www.cleliasart.com
 

    -----Original Message-----
    From: Maximus Freitas <freitasmaximus@yahoo.com.br>
    To: bcleliabrito@aol.com
    Sent: Sat, 21 Mar 2009 2:31 pm
    Subject: Re: Pergunta de um Cat3lico

    Interessante sua opinião, mas esse caso também não se aplica à sua? Visto que a fundação foi em 1863, quando já existia a mais de 1800 anos a Igreja Católica Apostólica Romana. E quanto as outras seitas protestantes mais antigas que a sua?
    “Recomendo-vos, irmãos, que tomeis cuidado com os que produzem divisões contra a doutrina que aprendestes. Afastai-vos deles” (Rm 16, 17).          Já alertava Paulo desde aquele tempo. E quem produz divisões? Os Protestantes!
    Na verdade a única Igreja verdadeira é a que pertenço (desculpe a sinceridade), sendo ela a Fundada pro Cristo e guiada pelo o mesmo.  ("E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" Mateus 28:20)

    Se vocês seguissem o que está na Bíblia também seguiriam o que lhe passo:
    "Nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal" (2Pd, 1,20).
     "Muitas são as opiniões dos homens, e as más imaginações levam ao engano" (Eclo 3,24).
    " Nos tempos antigos, muitas vezes e de muitos modos Deus falou aos antepassados por meio dos profetas. No período final em que estamos, falou a nós por meio do Filho. Deus o constituiu  herdeiro de todas as coisas e, por meio dele, tambC3m criou os mundos". (Hebreus 1,1-2)
    "Ele quer todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade". (1 Timóteo 2-4)  -  "Por isso eu lhe digo: você é Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder da morte nunca poderá vencê-la." (Mateus 16-18)
    "Se eu me atrasar, você saberá como proceder na casa de Deus, que é a igreja20do Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade." (1 Timóteo 3-15)
    "Portanto, vão e façam com que os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo". (Mateus 28, 19-20)
    "Em todas as suas cartas ele fala disso. É verdade que nelas há alguns pontos difíceis de entender, que os ignorantes e vacilantes distorcem, como fazem com as demais Escrituras, para a sua própria perdição". (2 Pedro 3-16)
    "Filipe correu, ouviu o ennuco ler o profeta Isaías, e perguntou: "Você entende o que está lendo?" O ennuco respondeu: "Como posso entender, se ninguém me explica?" Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele". (Atos 8, 30-3)
    "Quem vos escuta a mim escuta, quem vos despreza, a mim despreza" (Lc. 10, 16). "Estarei convosco até o fim dos séculos" (Mt 28, 2 0).
    A Bíblia só serve quando interpretada pela autoridade competente, "Deus é a verdade - Ego sum veritas" (Jo 14, 6). "O homem é a mentira - Omnis homo mendax" (Rom 3, 4). Em outras palavras, a interpretação da verdade não pode ser feita por homens falíveis, mas necessita de uma autoridade infalível.

    Isso mostra que Bíblia é a Palavra de Deus, mas o legítimo interprete20é a Igreja Católica.
    Quanto a tradição leia:
    "Em nome de Nosso Senhor, Jesus Cristo, mandamos que vos afasteis de todo irmão que se entrega à preguiça e não segue a tradição que de nós recebestes" (2 Tm 3,6).
    "< /span>Tu, pois, meu filho, sê forte na graça de Cristo, e o que de mim ouviste perante muita testemunha confia-o a homens fiéis capazes de ensinar a outros" (2 Tm. 1-2). Eis aqui a tradição oral.
    S. Paulo: "Irmãos, ficai firmes e conservai as tradições que aprendestes, quer por palavra, quer por escrita nossa" (2 Tess 2,15).
    E como ficam os protestantes sem a tradição e sem a Igreja? O Antigo Testamento prescreve uma série de normas que não foram abolidas pela Bíblia, mas p ela Igreja. Como fica a observância dessas normas se só a Bíblia é fonte de revelação?
    Exemplos: Não acender fogo (para cozinhar) em nenhuma moradia no sábado (Ex. 35,3). Não semear diferentes espécies no mesmo campo (Lev. 19,19). Não semear e colher nada, nos campos e na vinha, no ano sabático (Ex. 23, 10-11) e (Lev. 25 3-5). Não comer os frutos das árvores nos primeiros três anos (Lev 19, 23-25).
    Se basta a Bíblia, para que servem os pastores protestantes? Por que estas casas d e culto... desde que há uma Bíblia em casa?
    S. Paulo: "A letra mata, mas o espírito vivifica" (2 Cor 3, 6). Deus fez o sacerdote "ministro do espírito e não da letra" (2 Cor 3, 6).
 

    --- Em sáb, 21/3/09, bcleliabrito@aol.com <bcleliabrito@aol.com> escreveu:
 

        De: bcleliabrito@aol.com <bcleliabrito@aol.com>
        Assunto: Re: Pergunta de um Católico
        Para: freitasmaximus@yahoo.com.br
        Data: Sábado, 21 de Março de 2009, 0:39

        Meu amigo,

        Queria eu saber responder esta pergunta, mas vou mandar a sua carta para o meu marido que é um pastor muito informado em todas essas perguntas.

        Mas, na minha opinião, é porque o inimigo de Deus <Satanás> quer também ter os que lhe o adorem, e bloqueia a mente de muitas pessoas, e assim eles formam igrejas por qualquer pequena diferença que eles acharem em uma igreja. Em vez de ir aos dirigentes de tal igreja, eles fazem uma nova relegião o u seita com um nome diferente.

        Nós Adventistas do Setimo Dia, seguimos somente o que emcontramos na Biblia, e nós não acreditamos em tradições como é o caso da sua  igreja.

        Se a sua igreja comessar a seguir somente o que esta ordenado na Biblia que é a palavra de Deus, a sua relilgião será também uma relegião de salvação por ter obedecido a Deus.

        O senhor pode notar que estas divisões de religião saguem o exemplo da sua igreja, e quase todas elas  observam o Domingo em vez do Sábado ditado por Deus.

        Para maior esclarecimento visite o nosso site que se acha no seguinte endereço

                                  &nb sp;                  htttp://www.azenilto.com  ;

Interessante sua opinião, mas esse caso também não se aplica à sua? Visto que a fundação foi em 1863, quando já existia a mais de 1800 anos a Igreja Católica Apostólica Romana. E quanto as outras seitas protestantes mais antigas que a sua?
“Recomendo-vos, irmãos, que tomeis cuidado com os que produzem divisões contra a doutrina que aprendestes. Afastai-vos deles” (Rm 16, 17).          Já alertava Paulo desde aquele tempo. E quem produz divisões? Os Protestantes!
Na verdade a única Igreja verdadeira é a que pertenço (desculpe a sinceridade), sendo ela a Fundada pro Cristo e guiada pelo o mesmo.  ("E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" Mateus 28:20)

Se vocês seguissem o que está na Bíblia também seguiriam o que lhe passo:
"Nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal" (2Pd, 1,20).
 "Muitas são as opiniões dos homens, e as más imaginações levam ao engano" (Eclo 3,24).
" Nos tempos antigos, muitas vezes e de muitos modos Deus falou aos antepassados por meio dos profetas. No período final em que estamos, falou a nós por meio do Filho. Deus o constituiu  herdeiro de todas as coisas e, por meio dele, também criou os mundos". (Hebreus 1,1-2)
"Ele quer todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade". (1 Timóteo 2-4)  -  "Por isso eu lhe digo: você é Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder da morte nunca poderá vencê-la." (Mateus 16-18)
"Se eu me atrasar, você saberá como proceder na casa de Deus, que é a igreja20do Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade." (1 Timóteo 3-15)
"Portanto, vão e façam com que os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo". (Mateus 28, 19-20)
"Em todas as suas cartas ele fala disso. É verdade que nelas há alguns pontos difíceis de entender, que os ignorantes e vacilantes distorcem, como fazem com as demais Escrituras, para a sua própria perdição". (2 Pedro 3-16)
"Filipe correu, ouviu o ennuco ler o profeta Isaías, e perguntou: "Você entende o que está lendo?" O ennuco respondeu: "Como posso entender, se ninguém me explica?" Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele". (Atos 8, 30-3)
"Quem vos escuta a mim escuta, quem vos despreza, a mim despreza" (Lc. 10, 16). "Estarei convosco até o fim dos séculos" (Mt 28, 2 0).
A Bíblia só serve quando interpretada pela autoridade competente, "Deus é a verdade - Ego sum veritas" (Jo 14, 6). "O homem é a mentira - Omnis homo mendax" (Rom 3, 4). Em outras palavras, a interpretação da verdade não pode ser feita por homens falíveis, mas necessita de uma autoridade infalível.

Isso mostra que Bíblia é a Palavra de Deus, mas o legítimo interprete é a Igreja Católica.
Quanto a tradição leia:
"Em nome de Nosso Senhor, Jesus Cristo, mandamos que vos afasteis de todo irmão que se entrega à preguiça e não segue a tradição que de nós recebestes" (2 Tm 3,6).
"Tu, pois, meu filho, sê forte na graça de Cristo, e o que de mim ouviste perante muita testemunha confia-o a homens fiéis capazes de ensinar a outros" (2 Tm. 1-2). Eis aqui a tradição oral.
S. Paulo: "Irmãos, ficai firmes e conservai as tradições que aprendestes, quer por palavra, quer por escrita nossa" (2 Tess 2,15).
E como ficam os protestantes sem a tradição e sem a Igreja? O Antigo Testamento prescreve uma série de normas que não foram abolidas pela Bíblia, mas pela Igreja. Como fica a observância dessas normas se só a Bíblia é fonte de revelação?
Exemplos: Não acender fogo (para cozinhar) em nenhuma moradia no sábado (Ex. 35,3). Não semear diferentes espécies no mesmo campo (Lev. 19,19). Não semear e colher nada, nos campos e na vinha, no ano sabático (Ex. 23, 10-11) e (Lev. 25 3-5). Não comer os frutos das árvores nos primeiros três anos (Lev 19, 23-25).
Se basta a Bíblia, para que servem os pastores protestantes? Por que estas casas d e culto... desde que há uma Bíblia em casa?
S. Paulo: "A letra mata, mas o espírito vivifica" (2 Cor 3, 6). Deus fez o sacerdote "ministro do espírito e não da letra" (2 Cor 3, 6).
 

--- Em sáb, 21/3/09, bcleliabrito@aol.com <bcleliabrito@aol.com> escreveu:
 

    De: bcleliabrito@aol.com <bcleliabrito@aol.com>
    Assunto: Re: Pergunta de um Católico
    Para: freitasmaximus@yahoo.com.br
    Data: Sábado, 21 de Março de 2009, 0:39

    Meu amigo,

    Queria eu saber responder esta pergunta, mas vou mandar a sua carta para o meu marido que é um pastor muito informado em todas essas perguntas.

    Mas, na minha opinião, é porque o inimigo de Deus <Satanás> quer também ter os que lhe o adorem, e bloqueia a mente de muitas pessoas, e assim eles formam igrejas por qualquer pequena diferença que eles acharem em uma igreja. Em vez de ir aos dirigentes de tal igreja, eles fazem uma nova relegião o u seita com um nome diferente.

    Nós Adventistas do Setimo Dia, seguimos somente o que emcontramos na Biblia, e nós não acreditamos em tradições como é o caso da sua  igreja.

    Se a sua igreja comessar a seguir somente o que esta ordenado na Biblia que é a palavra de Deus, a sua relilgião será também uma relegião de salvação por ter obedecido a Deus.

    O senhor pode notar que estas divisões de religião saguem o exemplo da sua igreja, e quase todas elas  observam o Domingo em vez do Sábado ditado por Deus.

    Para maior esclarecimento visite o nosso site que se acha no seguinte endereço

                                                 htttp://www.azenilto.com  ;

    Eu sou a responsavel por todos os artigos colocados ali. Eu co pio dos artigos que meu marido escrevi e guarda-os no Microsoft Word, e transformo eles em html e ponho-os  no site para o  publico ler.

    Gostaria muito que me escrevesse novamente.

    Aqui fico,

    e que Deus  lhe abençoe e lhe dê muito entendimento

    e também lhe dê os desejos do seu coração, Salmos 37:4

    Por que tantas divisões ou melhor subdivisões dentro da Igreja Evangélica?
 
 


*************************** 

OutrasOpções

Se desejar se comunicar com o autor, mande um e-mail para o link em baixo:

profazenilto@hotmail.com


Clique aqui para ir para a página do Prof. Azenilto ARTES CULINARIAS

  Clique aqui para para ir para a página de Historietas-Didaticas"

Clique aqui para ver artigos sobre Os"DEBATES CATÓLICOS"

Clique aqui para ver artigos sobre as "DOUTRINAS CATÓLICAS"

 Clique aqui para ver artigos sobre  SÁBADO OU DOMINGO

 Click aqui para ver artigos sobre a "Imortalidade"

 Click aqui para ler sobre as leis dietéticas

 Click aqui para ver artigos sobre as divisões das leis

 Clique aqui para voltar aos outros artigos

 Clique aqui para ir para os Artigos Numerados

 Clique aqui para ir para a página de livros.

 Ministerio Sola Scriptura